Parabéns

Parabéns
Participem com contos, sugestões e fotos para incluir no nosso blog. Podem enviar para o nosso contacto : pontoerotyco@gmail.com - vamos chegar às 400 000 visualizações

sábado, 31 de maio de 2014

sexta-feira, 30 de maio de 2014

FANTASIAS DOS LEITORES ....DESAFIO

Boa tarde, vou lançar aqui um desafio aos nosso leitores...
Conte-nos aquela fantasia mais secreta, que tem vontade de realizar e ainda não ganhou coragem ou ainda não se proporcionou...
Ou aquela que fantasia, mas não tem coragem de pôr em prática....
Eu postarei todas as respostas, devidamente ilustradas...
Fico à espera dos vosso emails ...
                                     



ENVIE A SUA FANTASIA PARA:
portuguesinhaana@gmail.com

quarta-feira, 28 de maio de 2014

POEMA






Assim ,
nua na noite ,
entrei em teu mundo ...
sem querer , sem saber ,
desavisada ...
fascinada ,
em busca de nada 
ou te tudo . 
Algo diferente do trivial ... 
do óbvio, entediante . 
Perdida em minha estrada , 
sem rumo naquela hora , 
dirigida por ventanias de outrora ... 
nada pensei , nada programei , 
olhei e entrei , 
em tua morada , 
vi teu olhar distante ... 
me convidando a entrar em teu deserto , 
em teu oásis fascinante , 
simplesmente entrei e te encontrei . 
Agora perdida , 
procuro a despedida , 
onde é mesmo ... 
a porta de saída ? ... 




terça-feira, 27 de maio de 2014

POSIÇÃO DA SEMANA

A SUGESTÃO DESTA SEMANA, É ESTA...
A MULHER DEITADA E O HOMEM DEITADO EM CIMA...O PONTO DE ENTRADA, FICA AO GOSTO DE CADA UM...RSRS






BOA DIVERSÃO

segunda-feira, 26 de maio de 2014

A VIZINHA



AUTOR - BRUNO PERSEUS


Quando jovem, fiz amizade com minha vizinha casada, a Lorena. Ela e o marido moravam à muitos anos ali na vizinhança e eram bem conhecidos. O marido tinha por volta dos quarenta e poucos anos, trabalhava fora como advogado. Lorena era uma coroa de trinta e dois anos, cabelos longos, seios fartos e uma bunda muito empinada. Talvez a única coisa que poderia afastar alguém era o fato de que ela não era bela de rosto e de corpo. Apesar do corpo gordinho e fora de forma, ela tinha um charme fora do comum. Andava sempre com seus vestidos longos, atiçando ainda mais a minha imaginação de jovem pervertido e punheteiro.
No decorrer do tempo em que fomos vizinhos, percebi que Lorena sempre ficava sozinha em casa. Não sei bem o que ela fazia durante esse tempo, mas sei que eles não tinham filhos. Então, ela provavelmente levava uma vida muito sem graça, cuidando apenas dos afazeres domésticos.
Um belo dia, eu estava saindo na porta de casa, rumo à escola. Por coincidência, encontrei com Lorena saindo de casa. Como eu estava de uniforme e mochila, não foi difícil perceber pra onde eu estava indo. A surpresa mesmo, veio quando eu ouvi a buzina do carro de Lorena atrás de mim. Quando olhei, ela abaixou o vidro da porta do passageiro.
- Tá indo pra escola? Entra, te dou uma carona.
Na hora não pensei em nada, apenas entrei. Já conhecia Lorena, mas apesar dos meus pensamentos impuros a seu respeito, nunca pensei que fosse acontecer algo fora do normal. Fomos seguindo caminho para a escola.
No decorrer dos dias, aconteceu outras caronas. Dia sim, dia não, eu pegava uma carona com ela. Ela sempre formal, conversava pouco. Eu já tentava puxar algum assunto, perguntando pelo seu esposo, sobre o que ele fazia e com isso descobri que o assunto a aborrecia. Então parei de falar nisso. A melhor parte das caronas, era quando eu chegava na escola e descia do carrão de Lorena. Obviamente, eu tirava a maior onda com os amigos. Nunca menti dizendo que tava pegando ela ou coisa do tipo. Mas eles não acreditavam. Fazer o quê? Fato é, que até as meninas passaram a me olhar de forma diferente.
No fim de semana seguinte eu não tinha absolutamente nada pra fazer. Sabe aqueles dias que a gente acorda sem saber pra quê? Pois esse foi um desses dias. Fui comprar pão por volta das 09h e quando voltava vi uma cena curiosa: Lorena estrava com o carro dentro de casa com uma mulher, bem mais nova que ela no banco do passageiro. Eu estava a uns 200 metros quando vi a cena. Mas ao passar pelo portão da casa dela, o choque. Lorena estava agarrada com a jovem moça, se beijando e correndo com as mãos por onde dava.

Mas tudo isso com o portão aberto? Sim, com o portão aberto. Fiquei pasmo ao ver a cena, plantado como uma bananeira na calçada dela, olhando e ficando cheio de tesão com a cena. De repente, Lorena se dá conta do expectador indesejado e apertando rapidamente o botão do controle do portão, que aos poucos vai se fechando. Na certa, ela achou que o portão estava se fechando e aproveitou pra atacar a amiga. Que cena! 
Fui pra casa com aquela visão maravilhosa na mente. Se tem uma coisa que qualquer homem sente, é tesão em ver duas (ou mais) mulheres se pegando. É da nossa natureza. E passei o fim de semana todo pensando nisso. E como seria na segunda? Será que eu ainda ganharia minha carona pra escola?
Bom, segunda chegou e lá fui eu como de costume pra escola. De fato não vi Lorena deixar a garagem. Continuei minha caminhada solitária. Mas alguns metros depois, ouço a buzina. Lorena abaixou o vidro, olhou e disse:
- Entra, precisamos conversar.
Já dentro do carro Lorena tentava explicar o ocorrido. Mal ela começou, e eu a interrompi:
- Lorena, não precisa me explicar nada. Não tenha nada a ver com sua vida.
- Eu sei disso, mas não quero que isso caia na boca do povo.
- Se você estiver se preocupando pelo que eu vi, não precisa se preocupar mais. Isso morre comigo.
As minhas palavras parecem ter surtido efeito, já que ela seguiu algum tempo calada e pensativa. Como o caminho para a escola era razoavelmente curto, não deu tempo de conversarmos muito. Então ela sugeriu que após a aula eu passasse por lá.
Fiquei deveras apreensivo pela conversa que teríamos e como combinado fui até sua casa após a escola. Pra não dar bandeira, nem passei em casa. Toquei o interfone e logo Lorena me atendeu, pedindo pra eu entrar. Sentei no sofá da sala, enquanto ela me ofereceu um copo de suco de laranja. Detestei a porcaria do suco, esses de caixinha que dão até calafrios pelo sabor enjoativo e ácido. Mas bebi por educação.
- Olha só, sobre aquele assunto...
- Lorena, já disse. Não precisa me explicar nada. Não sou nada seu, nem seu marido, nem amante nem nada. Sou seu vizinho...
- Nesses dias você tem sido um amigo. O único até que conversa, que se preocupa. Por isso acho que te devo explicações.
- Que bom que me considera um amigo, também gosto de você. Mas sua sexualidade é um problema seu. E pra não te deixar ainda mais encucada, até confesso que gostei do que vi!
- Sério?
- Claro! Melhor ter visto você com uma mulher do que com outro homem... ou com seu marido!
Rimos os dois. Consegui quebrar o gelo da conversa.
- Não se preocupe. Se me considera como um amigo, saiba que isso nunca vai vazar da minha boca.
- Obrigada... de verdade.
No decorrer da conversa, Lorena disse que seu marido já não era mais o que ela sonhava. Chegava altas horas da noite em casa, bêbado, com marcas de batom pra todo lado... enfim, o cara maltratava Lorena de várias formas, inclusive fisicamente. Inclusive, enquanto confidenciava, ela chorou por lembrar que se casou, pensando numa vida melhor para si. Mas depois de alguns anos, percebeu que nem dinheiro, nem casa, nem carros, poderiam fazê-la feliz. Então começou a fazer algumas coisas, tipo academia. E lá conheceu sua amiguinha. E depois de algum tempo, surgiu o romance entre elas. 
- Então você gostou do que viu, foi? - perguntou ela, obviamente sabendo da minha resposta. 
- Claro! Qual homem não gosta de ver uma cena daquelas? 
- E o que achou dela? Bonita né! - ela agora falava com uma certa empolgação no olhar que impressionava.
- Sim, muito gostosa. Aliás, vocês duas fizeram um belo par! - Rimos muito nessa hora.
- Como você ficou quando nos viu?
- Como assim? Excitado oras!
- É? Imagino sua cara de safado quando viu a gente...
- Não fiz cara de safado... não posso dizer o mesmo de outras partes do corpo.
- É? E que parte foi? - Ela começava a brincar comigo, e eu entrando no papo dela pra ver onde isso ia dar.
- Tá querendo saber demais, não tá não?
- Ah, para... somos amigos. Você pode me contar.
Enquanto Lorena falava, eu ficava excitado. E já era possível ver minha ereção.
- Você sabe oras... fiquei... er... de pau duro, claro! Uma cena daquelas, quem não fica?
- Você ficou de pau duro? Safado! Ficou igual você tá agora não é?
Ela percebeu. E sem falar nada, Lorena saiu do sofá em que sentava e veio rastejando até onde eu estava sentado. De joelhos, ela se aproximou e correu com suas mãos pela minha perna. Deslizou a mão até a minha virilha, me arrancando um suspiro de prazer. Então ela foi até a minha cintura, desatou o cinto e abriu o botão da calça. Lentamente, e com um olhar provocador, foi descendo o zíper. Colocou a mão por dentro, tirou a cueca de lado e meu membro saltou fora. A cabeça inchada, pulsante, com veias vibrantes. 

- Agora eu sei como você ficou. - disse ela num tom bem safado. 
- Sabe? E o que você vai fazer?
- Não sei, tô pensando... afinal, você me pegou numa situação muito complicada. Então não sei se você merece alguma coisa.
- Eu acho que você deveria pelo menos experimentar e depois tirar alguma conclusão. Que tal?
- É... pode ser...
Lorena, punhetando lentamente meu membro, foi abaixando-se, até a boca quente encostar na cabeça. Primeiro ela deu um beijo na ponta do pau. Depois o lambeu da cabeça até a base. Em seguida, foi engolindo ele, até que meu pau estivesse todo dentro de sua boca molhada. Lentamente ela foi tirando as peças, enquanto eu ajudava. Saiu a calça, a cueca e eu fiquei apenas com a camiseta de uniforme e minhas meias brancas. Eu estava encostado no sofá, muito confortável por sinal. Ela ajoelhada na minha frente, com meu pau na boca sem falar nada. Seguirei seus cabelos negros e longos, fazendo uma mecha enrolada na minha mão. Então passei a foder sua boca, levantando meu corpo e botando meu pau no fundo de sua garganta. Sua saliva escorria pelo meu cacete, que brilhava com a lubrificação. Que boca gostosa!
Lorena era hábil no boquete. Levantou minhas pernas, lambia minhas bolas, sugava com prazer e satisfação. Eu delirava com as carícias, moleque novo, inexperiente...
    
                                 http://images5.sex.com/images/pinporn/2012/12/03/620/1019869-blowjobgirlfriendsprivatepics-this-is-what-i-call-loving.gif
Lorena queria me levar à loucura, com sua boca encaixada no meu pau. Não soltava por nada, era o seu brinquedo particular. Ela descia e subia com uma maestria que eu só tinha visto em filmes. Sua boca vez ou outra dava estalos! 
Depois de quase gozar na boca dela, era a minha vez de me aproveitar dela. Fiquei de pé, enquanto ela ainda estava de joelhos. Como de praxe, Lorena usava apenas um vestido curto. Fiz ela engatinhar de joelhos pra mim por cima do tapete até o outro sofá menor, segurando-a pelos cabelos. Era a minha cadelinha agora. A levei até o sofá e a coloquei de joelhos, com o corpo encostado no sofá. Sua bunda empinada, o máximo que ela podia. Passei a acariciar sua bunda, suas coxas. Fui subindo lentamente o vestido, enquanto sua bunda ia sendo revelada. Ela vestia uma calcinha branca bem pequena, atolada no rabo. Puxei a calcinha, atolando ainda mais, arrancando gemidos de prazer dela. Caí de boca na bunda, dando beijos e mordidas nas duas nádegas. Aproveitei a bunda à mostra e dei alguns tapas bem dados. Ficou vermelha logo. Puxei com mais força a calcinha que se rasgou no meio das pernas dela. Foi aí que ela gemeu alto.
Seu rabo empinado daquele jeito pra mim, me deixou maluco. Caí de boca novamente, só que agora tinha mais trabalho a fazer. Ajoelhei-me atrás dela e vislumbrei sua boceta linda e perfumada. Toquei a língua, arrancando um gemidinho tímido. Então aprofundei mais, experimentando o seu mel. Lambi de cima até embaixo. Depois fui para o seu cuzinho, cuidando bem dele. Deixei-o bem molhadinho, enquanto dava mais tapas na bundona dela.
Deitei Lorena no sofá, de barriga pra cima. Continuei ajoelhado e agora sim eu ia dar um trato na sua boceta. Caí de boca, lambendo a virilha, os lábios e me concentrando no clitóris. Não demorou muito e Lorena gozava na minha boca. Bebi todo o seu melzinho, que escorria fartamente pela boceta. Meu pau babava, duro como pedra. 


 Apoiei meu joelho na beira do sofá, encostei a cabeça do pau na entrada da boceta e fui empurrando. Meu pau sumiu fácil por causa da lubrificada boceta de Lorena. Bombei devagar, depois acelerando... Lorena estava no mesmo ritmo, nossos corpos pareciam um, encaixados. Nos beijávamos na boca, sedentos um pelo outro. Lambi seus seios grandes e fartos, mordiscando seus mamilos duros. Enfiei a mão por trás da sua nuca, puxando o seu corpo com mais força ainda. Os corpos batiam com força, fazendo um barulho alto e reconhecível em qualquer lugar. Desacelerei.
Sentei-me no sofá e pedi que ela viesse por cima de mim. Lorena ofegava tesão, seu corpo já estava molhado, assim como o meu. Com o pau em riste, Lorena veio por cima lentamente. Me deu um doce beijo na boca, segurou meu pau e o acomodou dentro de sua boceta. Foi descendo devagar, até o pau sumir. Acomodou-se com os joelhos no sofá e me abraçou. Seu rosto estava colado ao meu, hálito com hálito, respiração com respiração, olhos nos olhos. Segurei sua bunda e a apertei contra o meu corpo. Por cima do seu ombro, eu via sua bunda rebolando no meu pau, subindo e descendo. Talvez tenha sido muito pra mim, porque poucos segundos bastaram pra que eu anunciasse o meu gozo. E ele veio explosivo, uma onda de prazer sem precedentes. Lorena percebeu e rebolou mais intensamente e então inclinei o corpo para trás, urrando de prazer, enquanto ejaculava forte, intenso. Lorena pôs o corpo para trás, rebolando num ritmo frenético, anunciando outro gozo. Gozamos juntos com muita intensidade. Lorena abraçou-me e nos beijamos calorosamente. 

Lorena levantou-se e me levou até o seu quarto, onde tomamos um banho seguido de muitos beijos. Saímos do banheiro e ainda ficamos um tempo deitados em sua cama conversando. Falamos sobre sua bissexualidade e realmente depois de muito conversar, entendi que Lorena era uma mulher frustrada com o seu casamento, com sua vida. Depois de anos se escondendo, vivendo praticamente aprisionada por um casamento à moda antiga (em que o pai a prometeu em casamento para outra família), Lorena não suportava mais continuar com alguém que não a amava e que muito menos se preocupava com ela. Mas até então, a bomba ainda não tinha sido falada. Lorena confessou-me que desconfiava que o marido era gay e que talvez por isso ele a abandonava. Realmente fazia sentido e ela disse que investigaria.
Duas semanas depois dessa aventura, Lorena ainda me dava caronas para a escola, agora mais frequentes. E quando descia do carro e meus amigos vinham me perguntar alguma coisa, eu respondia positivamente cheio de orgulho. Negando ou afirmando, eles teriam a sua versão da história. Então não quis mudar nada.
Ainda ficamos juntos várias outras vezes, inclusive fui convidado a assistir uma transa sensacional entre ela e sua amante. Não pude participar da festa ativamente, mas o que vi, está guardado para sempre na minha mente. ,
Lorena mudou-se de cidade tempos depois com seu marido, que no fim das contas, acabou se entregando. Ele era gay. Os dois resolveram abrir seu relacionamento e Lorena hoje vive feliz ao lado do marido, com um casamento aberto a novas aventuras de ambas as partes. Talvez não funcionem bem como marido e mulher e suas obrigações conjugais, mas se dão bem como amigos e confidentes. 
Estranho, diferente ou não, fato é que hoje os dois são felizes...

domingo, 25 de maio de 2014

10 CURIOSIDADES SOBRE O BEIJO

O BEIJO

1. Os romanos tinham 3 tipos de beijos: o basium, trocado entre conhecidos; o osculum, dado apenas em amigos íntimos; e o suavium, que era o beijo dos amantes. Os imperadores romanos permitiam que os nobres mais influentes beijassem seus lábios, enquanto os menos importantes tinham de beijar suas mãos. Os súditos podiam beijar apenas seus pés.


2. Antigamente, na Escócia, o padre beijava os lábios da noiva no final da cerimônia de casamento. Dizia-se que a felicidade conjugal dependia dessa benção em forma de beijo. Depois, na festa, a noiva deveria circular entre os convidados e beijar todos os homens na boca, que em troca lhe davam algum dinheiro.


3. Na Rússia, uma das mais altas formas de reconhecimento oficial era um beijo do czar. No século XV, os nobres franceses podiam beijar qualquer mulher que quisessem. 

  
4. Na Itália, entretanto, se um homem beijasse uma donzela em público naquela época era obrigado a se casar com ela imediatamente.


5. Beijo francês é aquele em que as línguas se entrelaçam. A expressão foi criada por volta de 1920.


6. Na linguagem dos esquimós, a palavra que designa beijar é a mesma que serve para dizer cheirar. Por 
isso, no chamado “beijo de esquimó″, eles esfregam os narizes. 
7. Em 1909, um grupo de americanos que consideravam o contato dos lábios prejudicial à saúde criou a Liga Antibeijo.

8. Boatos no final do século XIX atribuíam à estátua do soldado italiano Guidarello Guidarelli, obra do século XVI assinada por Tullio Lombardo, o poder de arranjar casamentos fabulosos a todas as mulheres que a beijassem. Desde então, mais de 7 milhões de bocas já tocaram a escultura em Veneza. 


9. Por causa do chefe de polícia de Tóquio, que achava o ato de beijar sujo e indecoroso, foram apagados dos filmes norte-americanos mais de 243.840 metros de cenas de beijos. 

10. Oliver Cromwell, no século XVII, proibiu que fossem dados beijos aos domingos na Inglaterra. Os infratores eram condenados à prisão.














quinta-feira, 22 de maio de 2014

DIA DO ABRAÇO

FELIZ DIA DO ABRAÇO PARA TODOS....ABRACEM A VIDA...E AS PESSOAS





quarta-feira, 21 de maio de 2014

VÍDEOS DO TEMA DO MÊS ...NOIVAS

DEIXANDO AQUI UM CONSELHO..
PROVE SEMPRE A NOIVA ANTES DE CASAR, PARA NÃO TER SURPRESAS DESTAS
HIHIHI


JÁ AGORA, CONFIRME TAMBÉM SE O PADRE É BEM COMPORTADO...



terça-feira, 20 de maio de 2014

POEMA




Quero um beijo ,
com sabor de infinito , 
com rumor de eternidade , 
com devoção de paixão , 
paixão de dor , 
de sabor de perder ,
sem nunca ter ... 
quero te beijar meu amor , 
agora ...
ávida para transpor distâncias 
com a dor do impossível , 
o sabor da fogosa 
e passional saudade quente , 
que trago em minha mente... 

segunda-feira, 19 de maio de 2014

MÚSICA - BO TEM MEL

UMA MÚSICA PARA ANIMAR A NOSSA SEMANA, COM UMAS FOTOS SUGESTIVAS.
ESPERO QUE GOSTEM...

BO TEM MEL...

                      




Questionário aos leitores

domingo, 18 de maio de 2014

BRINCADEIRAS DE ADOLESCENTE

A VIDA SEXUAL DA MAIORIA DAS ADOLESCENTES COMEÇA COM EXPERIÊNCIAS COM AS MELHORES AMIGAS...EMBORA NEM TODAS CHEGUEM TÃO LONGE...
ALGUÉM JÁ PASSOU POR ISSO???
EU SIM...EMBORA TENHA FICADO PELOS BEIJOS E ALGUMA (POUCA) MASTURBAÇÃO CONJUNTA...










sábado, 17 de maio de 2014